PESSOAL
PROFESSORES COLABORADORES

 Denise Maria Guimarães Freire
 Bolsista de Produtividade Em Pesquisa do CNPq - Nível 2
 

 

Universidade Federal do Rio de Janeiro
Instituto de Química
Departamento de Bioquímica
Bloco A, 5o Andar, Lab. 549-2
CEP 21945-900
Rio de Janeiro - RJ Brasil

Tel.: +55 21 2562-7360
Fax: +55 21 2562-7266
E-mail: freire@iq.ufrj.br

Site do grupo de pesquisa

 

Curriculo Lattes da Professora Denise Freire

A professora Denise Maria Guimarães Freire possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1984), mestrado em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1988) e doutorado em Bioquímica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1996). Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Farmácia , com ênfase em Biotecnologia. Atuando principalmente nos seguintes temas: Seleção de microrganismos, Produção de lipase, Fermentadores de bancada.

Interesses de Pesquisa

1. Produção de biosurfactantes para biorremediação de solos impactados com petróleo

O objetivo geral deste projeto é a produção de biosurfactantes para aplicação na indústria do petróleo, com fins ambientais. A PETROBRAS/CENPES dispõe de uma cepa de Pseudomonas aeruginosa, previamente selecionada, como degradadora de petróleo, a partir de solos contaminados por derivados de petróleo. Esta cepa vem se mostrando extremamente promissora para a produção de biosurfactantes do tipo ramnolipídeo. Pretende-se, neste trabalho, definir condições de cultivo apropriadas em escala de bancada (frascos agitados) para, posteriormente, investigar condições de processo em fermentadores de bancada tanto da cepa selvagem como da cepa modificada geneticamente, contendo plasmídeos com os genes envolvidos na biossíntese desses ramnolipídeos.

2. Utilização de lípases e hidrolases fungicas em tecnologia ambiental

  • Estudar a produção, em fermentação semi-sólida, de lipases e outras hidrolases  por uma cepa de Penicillium restrictum sob diferentes condições de suplementação de um meio à base de rejeito sólido da indústria do óleo de babaçu.
  • Estudar o uso dessas enzimas  no tratamento preliminar de efluentes da industria de laticíneos, ricos em óleos e graxas, para posterior tratamento em reatores aerábios e anaeróbios.
3.Produção e purificação de lipases de Penicillium restrictum
  • Estudar a produção de lipase e outras hidrolases pelo fungo Penicillium restrictum, visando uma melhor compreensão de sua fisiologia com conseqüente otimização do processo de produção em meio submerso (frascos agitados e fermentadores de bancada) e em meio sólido.
  • Formular um modelo matemático de produção, objetivando uma melhor compreensão da relação de produção entre as principais hidrolases, e otimização futura das alternativas de condução do processo fermentativo.
  • Purificar e caracterizar as enzimas, em especial a lipase, objetivando definir sua posterior utilização em processos biotecnológicos.
4. Uso de lípases na síntese de fármacos

O objetivo deste projeto está relacionado a síntese de intermediários farmacêuticos, como por exemplo anti-asmáticos produzidos pelo laboratório de Avaliação e Síntese de Substâncias Bioativas (LassBio) da Faculdade de Farmácia da UFRJ, por hidrolise seletiva preferencial utilizando diferentes lípases comerciais e de Peniciliium restrictum.

5 . Uso de hidrolases na indústria de alimentos

Objetivos:
  • Síntese de monoglicerídoes (monolaurina, monocaprilina) por esterificação direta utilizando preparações  de lipases comerciais e de Penicillium restrictum imobilizadas.
  • Invetigação do uso de sistemas com e sem solventes na sintese de monoglicerídeos catalizados por lipase